Programa de Pós-Graduação em Atenção Integral à Saúde

Mestrado

Teses e Dissertações


Ano:

Dissertações

  • Análise dos Níveis de Estresse, Cortisol Salivar e Capacidade de Resiliência entre Enfermeiros Hospitalares

    Análise dos Níveis de Estresse, Cortisol Salivar e Capacidade de Resiliência entre Enfermeiros Hospitalares

    Resumo:

    Introdução: o enfermeiro exerce suas atividades profissionais em um ambiente que favorecem a ocorrência de estresse, as quais repercutem no trabalhador e nas organizações como um todo. Nesse contexto, a resiliência pode ser um fator protetor. Objetivo geral: avaliar a associação entre níveis de estresse, cortisol salivar e capacidade de resiliência entre enfermeiros hospitalares. Metodologia: trata-se de um estudo exploratório, analítico e transversal com 120 enfermeiros que atuam em três instituições hospitalares da região noroeste do estado do Rio Grande do Sul. A coleta de dados ocorreu de junho a setembro de 2018, com o instrumento de caracterização sociodemográfica, laboral e perfil de saúde, a Escala Bianchi de Stress, Escala de Resiliência, instrumento de coleta de cortisol salivar, e coleta de saliva para análise de cortisol em três momentos de um dia de trabalho (ao despertar, no início e no final de plantão). Procedeu-se à análise estatística dos dados. Todos os preceitos éticos que envolvem pesquisas com seres humanos foram respeitados. Resultados: foram construídos três artigos. O primeiro intitulado “Análise do perfil de enfermeiros hospitalares e relação com concentração de cortisol salivar”, demonstrou predomínio de uma população feminina, jovem, em plena fase produtiva, especialista, formada e que atua há menos de 10 anos na instituição, cumprem 36 horas semanais, com filho, vivem com companheiro, professam a religião católica e não pretendem deixar o trabalho, atuam com exclusividade em um dos hospitais e sentem-se satisfeitas com o trabalho que desempenham. A média da concentração de cortisol ao acordar foi mais elevada, e não houve diferença estatisticamente significativa nas medias das amostras dos demais momentos de aferição. O segundo artigo, intitulado "Relação entre estresse e concentração de cortisol em enfermeiros no âmbito hospitalar", demonstrou que atividades estressoras podem elevar cortisol no início, término do plantão e ao acordar. Exposição frequente à atividade pouco estressora pode causar desgaste e elevar cortisol no final do trabalho. Intervenções que reduzem estressores e promovam enfrentamento são necessárias ao bem-estar. O último artigo intitulado “Resiliência, níveis estresse e de concentração cortisol em enfermeiros hospitalares, estudo comparativo”, mostrou que profissionais menos estressados apresentaram maior capacidade para resolver conflitos e indivíduos menos resilientes encontravam-se com maiores concentrações de cortisol no início e final do trabalho, embora não houve significância estatística. Conclusão: os dados identificam que os enfermeiros das três instituições encontram-se em médio nível de estresse, que a concentração de cortisol salivar constitui-se em um importante marcador filológico do estresse e que as instituições de saúde, necessitam criar subsídios para sugerir estratégias com base na capacidade de resiliência com vistas à um melhor enfrentamento ao estresse ocupacional, manutenção da saúde sem danos pessoais e organizacionais. Considera-se que os resultados desse trabalho podem instigar reflexões e discussões dos participantes da pesquisa e de gestores com intuito de contribuir na qualificação de sua atuação, manutenção da saúde e prevenção de agravos.

    Participantes:
    • Eniva Miladi Fernandes Stumm (Orientador)
    • Marina Brites Calegaro da Rosa (Orientando)
  • Associação de Exames Hematológicos e Bioquímicos e o Impacto Nos Desfechos Pós-Operatórios de Pacientes Submetidos a Cirurgia Cardíaca

    Associação de Exames Hematológicos e Bioquímicos e o Impacto Nos Desfechos Pós-Operatórios de Pacientes Submetidos a Cirurgia Cardíaca

    Resumo:

    Introdução: O aumento da expectativa de vida, exposição a fatores de risco modificáveis, elevação da incidência de doenças cardiovasculares e em decorrência taxa de cirurgias cardíacas como alternativa terapêutica eficaz, predispõe complicações pós-operatórias de graus variáveis, inerentes ao procedimento e ao estado clínico do paciente. Desta forma, a busca por preditores que possibilitem prever possíveis riscos são relevantes para possibilitar o adequado manejo do paciente e garantir sua segurança. Objetivo Geral: Avaliar associação de parâmetros hematológicos e bioquímicos no pré e pós-operatório com complicações clínicas de forma geral e por órgão afetado no pós-operatório de cirurgia cardíaca. Objetivos Específicos: Averiguar dados clínicos prévios ao procedimento cirúrgico; verificar a associação entre hematócrito, hemoglobina, leucócitos, plaquetas, tempo de protrombina, razão de normatização internacional e creatinina anteriores a cirurgia com complicações pósoperatórias; avaliar alterações no hematócrito, hemoglobina, leucócitos, plaquetas, tempo de protrombina, razão de normatização internacional, creatinina e glicemia após procedimento cirúrgico com intercorrências clínicas pós-operatórias. Metodologia: Estudo transversal, retrospectivo, analítico e documental, baseado na análise de dados contidos em prontuários de pacientes. Critérios de inclusão: pacientes com idade igual ou superior a 18 anos submetidos a cirurgia de revascularização do miocárdio e ou trocas valvares com técnica convencional não pulsátil de circulação extracorpórea, em caráter eletivo, no período de janeiro a dezembro de 2017 e que sobreviveram até a alta hospitalar. Excluídos prontuários sem os dados necessários para análise dos desfechos. Variáveis de perfil: idade, sexo, fatores de risco cardiovascular (hipertensão arterial sistêmica, dislipidemia, diabetes mellitus, tabagismo, etilismo, sedentarismo, histórico de infarto agudo do miocárdio, histórico familiar de doença arterial) e antecedentes cirúrgicos. Fatores do estudo: variáveis hematológicas (hematócrito, hemoglobina, leucócitos, plaquetas, tempo de protrombina (TP), razão de normatização internacional (INR)) e bioquímicas (creatinina e glicose). No pré-operatório foram analisados os parâmetros hematológicos e a creatinina. Já no pós-operatório, além dos níveis prévios a cirurgia, foi acrescentado glicose. Estas variáveis foram estratificadas como: adequado (níveis normais), superior (níveis acima dos padrões de normalidade) e inferior (níveis abaixo dos padrões de normalidade). Os desfechos do estudo foram complicações pós-operatórias, categorizadas de forma geral ou conforme o órgão afetado (cardíacas; respiratórias; renais; neurológicas; circulatórias; gastrointestinais; tegumentares e termorregulação). Aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa, conforme parecer 1.983.681. Resultados: Foram incluídos 194 pacientes. Alterações leucocitárias pré-operatórias aumentaram em 8,24 vezes a chance de complicações pós-operatórias (p=0,039); os valores médios elevados de INR no primeiro dia pós-operatório foram associados a complicações (p=0,036); alterações de: creatinina (p= 0,020) e INR (p=0,002) no primeiro e segundo dia pós-operatório tiveram associação com complicações e alterações na hemoglobina no pós-operatório imediato foram associadas a complicações cardíacas no terceiro pós-operatório (p0.001). Conclusões: ocorreu associação entre alterações hematológicas pré-operatórias e complicações de forma geral, alterações hematológicas e bioquímicas pós-operatórias e complicações de forma geral e alterações hematológicas com complicações estratificadas por órgão afetado. O que pode subsidiar a elaboração de indicadores de risco. Sugestivo de aprimorar o monitoramento dos níveis hematológicos e bioquímicos, em especial de leucócitos, INR, hemoglobina e creatinina percebidos conforme oss resultados como preditores de complicações pós-operatórias.

    Participantes:
    • Christiane de Fatima Colet (Orientador)
    • Eliane Roseli Winkelmann (Orientador)
    • Sandra Leontina Graube (Orientando)
    Arquivos:
  • Avaliação da Atenção em Saúde de Mulheres Com Deficiência Física no Contexto da Prevenção do Câncer do Colo do Útero

    Avaliação da Atenção em Saúde de Mulheres Com Deficiência Física no Contexto da Prevenção do Câncer do Colo do Útero

    Resumo:

    Na busca de qualificar a assistência à saúde da mulher com deficiência física, e encontrar estratégias que fortaleçam as ações de prevenção do câncer do colo do útero nesta população, objetivou-se avaliar a organização dos serviços de saúde da atenção básica quanto ao rastreamento deste câncer, voltadas às mulheres com deficiência física. Inicialmente, desenvolveu-se estudo metodológico, com finalidade de elaborar e validar um instrumento específico para atingir os objetivos da pesquisa. O instrumento validado contemplou 34 questões distribuídas em quatro domínios: recursos humanos; recursos físicos; organização dos serviços e da assistência e educação em saúde. Sua consistência interna foi considerada satisfatória, com coeficiente alfa de Cronbach igual a 0,841. Na segunda etapa da pesquisa foi desenvolvido estudo descritivo, transversal, quantitativo, em 13 municípios da região norte e noroeste do estado do Rio Grande do Sul. A amostra foi composta por 53 enfermeiros atuantes em serviços que oferecem rastreamento do câncer do colo do útero, responsáveis pela coleta para exame citopatológico. Para coleta de dados utilizou-se o questionário previamente validado. Quanto a pontuação obtida em cada um dos domínios avaliados pelo instrumento, obteve-se maior escore no domínio 1 – Recursos Humanos (67,1 pontos) e menor escore no domínio 4 – Educação em Saúde (32,5 pontos). Concernente aos demais resultados, no domínio 1 (recursos humanos) 79,2% dos participantes referiram haver agentes comunitários de saúde, ao menos um enfermeiro e um médico, bem como auxiliares/técnicos de enfermagem envolvidos com o atendimento às pessoas com deficiência física. Em relação ao domínio 2 (recursos físicos), 62,3% dos entrevistados referiram existir nos serviços de saúde, estruturas físicas de acesso, como rampas externas e portas adequadas (56,6%) para a passagem de pessoas com deficiência física, porém, não havia disponibilidade de salas, nem banheiro e mesa ginecológica adaptados para atendimento de mulheres com deficiência física, relatados por 54,7% e 77,4% dos entrevistados, respectivamente. Já no domínio 3 (organização do serviço e da assistência), verificou-se que a maior parte dos respondentes (50,9%) informou que o serviço não possui horários alternativos de atendimento, 39,6% referiram não realização do exame citopatológico em mulheres com deficiência física, ou episódio de intercorrências durante o exame (54,7%). Por outro lado, existe agendamento de consultas aberto a toda a população, conforme descrito por 90,6% dos entrevistados. O último domínio (educação em saúde) demonstrou a necessidade de capacitações aos profissionais, para realizar exame citopatológico em mulheres com deficiência física, referido por 64,2% dos participantes, e também o desconhecimento da Lei nº13.362/2016 por parte dos mesmos (67,9%). Conclui-se que o instrumento validado pode ser utilizado por gestores e profissionais de saúde para identificar potencialidades e fragilidades de serviços de atenção básica, no que tange ao atendimento de mulheres com deficiência física no âmbito das ações de rastreamento do câncer cervical. Ademais, para oferecer e qualificar o rastreamento deste câncer nesta população, são necessárias adaptações na infraestrutura e instrumentos técnicos dos serviços de saúde da atenção básica, a fim de garantir acessibilidade para realização do exame Papanicolaou, e ações de educação permanente dos profissionais para atendimento das especificidades destas mulheres.

    Participantes:
    • Janaina Coser (Orientador)
    • Sara Gallert Sperling (Orientando)
    Arquivos:
  • Avaliação da Capacidade Funcional de Doentes Renais Crônicos em Hemodiálise

    Avaliação da Capacidade Funcional de Doentes Renais Crônicos em Hemodiálise

    Resumo:

    Introdução: A doença renal crônica é uma degradação progressiva e irreversível da função renal. O tratamento mais utilizado é a hemodiálise. A doença renal crônica e a hemodiálise estão entre as doenças e tratamentos que mais afetam a qualidade de vida do indivíduo. Ainda, as complicações sistêmicas advindas da doença e do próprio tratamento ocasionam um ciclo vicioso com importantes complicações que limitam as atividades físicas e funcionais dos indivíduos. Objetivo: Avaliar a capacidade funcional, nível de atividade física, qualidade de vida e do sono em doentes renais crônicos em tratamento hemodialítico. Métodos: Estudo exploratório, analítico, descritivo e quantitativo, desenvolvido entre novembro de 2018 a fevereiro de 2019 em duas Unidades de Hemodiálise pertencentes a mesma macrorregião, que atenderam aproximadamente 280 indivíduos. A coleta de dados foi realizada por meio dos registros dos prontuários clínico e eletrônico, entrevista semiestruturada com os indivíduos durante as sessões de hemodiálise, aplicação do teste de caminhada de 6 minutos (TC6) para avaliação funcional, aplicação de questionários para avaliação de qualidade de vida (Kidney Disease and Quality of Life Short-Form - KDQOL-SFTM) e de atividade física (International Physical Activity Questionnaire - IPAQ) e foram instruídos a utilização de pedômetros (Omron, modelo HJA-310) para quantificação do número de passos/dia. Os dados obtidos foram agrupados, tabulados e analisados por meio da estatística descritiva (média, mediana, desvio padrão, frequência e percentual). A normalidade das variáveis numéricas foi testada utilizando o teste de Shapiro-Wilk. Foi realizado análise de modelagem por regressão para testar a associação entre o número de passos/dia e os desfechos avaliados e correlação linear de Pearson entre a capacidade funcional e o nível de AF. Considerou-se um nível de significância de p<0,05. Resultados: Participaram do estudo 141 indivíduos, com predominância masculina e idade entre 25 a 88 anos. As etiologias de base da doença renal crônica mais relatadas foram a Hipertensão Arterial Sistêmica e o Diabetes Mellitus. Os DRC foram classificados como insuficientemente ativos pela quantificação por pedômetros e IPAQ e baixa capacidade funcional com média de 53,93% do previsto no TC6. Os menores escores de qualidade de vida foram identificados nas dimensões situação de trabalho, função sexual e limitações físicas, enquanto que os maiores escores foram obtidos nas dimensões função cognitiva, apoio social e encorajamento da equipe de saúde. Nas correlações realizadas observou-se correlação entre atividade física e qualidade de vida. O número de passos/dia teve correlação significativa com as dimensões sintomas e problemas, efeitos da doença, função sexual, sono, função física, papel físico, dor, bem estar emocional, papel emocional, função social, energia/fadiga e composição física. O TC6 não apresentou correlação com os testes de avaliação física (pedômetros e IPAQ). Ambos os testes físicos utilizados neste estudo apresentaram entre si correlação moderada e significante. Não se observou correlações significativas entre atividade física e variáveis de perfil da amostra. Conclusão: A baixa capacidade funcional e a inatividade física prevalecem em pacientes DRC em hemodiálise. Quanto maior a média de número de passos/dia melhor a qualidade de vida de indivíduos em hemodiálise. Não houve correlação entre a capacidade funcional avaliada pelo TC6 e nível de atividade física avaliada por pedômetros e IPAQ. Há diferentes possibilidades de avaliação em pacientes renais crônicos, dentre elas destaca-se os pedômetros como uma potencial ferramenta de avaliação física.

    Participantes:
    • Eliane Roseli Winkelmann (Orientador)
    • Luana Cecconello (Orientando)
    • Paulo Ricardo Moreira (Orientador)
    Arquivos:
  • Avaliação de Pacientes Oncológicos e Relação Com Exposição a Agrotóxicos

    Avaliação de Pacientes Oncológicos e Relação Com Exposição a Agrotóxicos

    Resumo:

    A expansão do mercado agrícola no Brasil colocou o país no topo do ranking mundial em consumo de agrotóxicos. Essa condição requer monitoramento dos riscos que para a saúde humana e meio ambiente. Neste contexto, o objetivo desta pesquisa foi avaliar a exposição ocupacional a agrotóxicos em indivíduos com diferentes tipos de câncer recentemente diagnosticados, por meio de um estudo transversal, quantitativo, descritivo e analítico. Coleta
    de dados no período de agosto de 2018 a janeiro de 2019. A população do estudo compreendeu 270 indivíduos com diferentes tipos de câncer recentemente diagnosticados e assistidos em um Centro de Alta Complexidade em Oncologia de um hospital geral porte IV; e 29 indivíduos saudáveis, doadores de sangue, sem exposição ocupacional a agrotóxicos. Os instrumentos utilizados foram formulário de caracterização sociodemográfica, clínica, hábitos de vida, exposição ocupacional a agrotóxicos; além de amostras de sangue para dosagem de acetilcolinesterase eritrocitária. Os dados foram analisados com o uso de estatística descritiva e software estatístico SPSS, versão 23.0. Realizados testes qui-quadrado e t de Student. Projeto de pesquisa aprovado por Comitê de Ética em Pesquisa, sob o número 2.626.873. Foram construídos três manuscritos. O primeiro, uma revisão narrativa, intitulada “Exposição Ocupacional aos agrotóxicos e relação com o câncer”, apresentou evidências sobre relação entre exposição a agrotóxicos e câncer. O segundo manuscrito, intitulado "Análise de novos casos de câncer em indivíduos assistidos em um Centro de Alta Complexidade em Oncologia e relação com exposição ocupacional a agrotóxicos”, constatou que 41,9% dos pacientes tem ou tiveram exposição ocupacional a agrotóxicos e, neste grupo, outros fatores de risco estão presentes, com diferença estatisticamente significativa. Evidenciada maior frequência de câncer de mama nas mulheres do meio rural não expostas ocupacionalmente a agrotóxicos; e maior frequência de câncer de traqueia, brônquios e pulmão na população urbana, ambos estatisticamente significativos. O último, intitulado “Caracterização de indivíduos com câncer, residentes no meio rural, práticas no uso de agrotóxicos e níveis de acetilcolinesterase eritrocitária”, mostrou predomínio de pequenos produtores rurais, em regime de agricultura familiar. A exposição a agrotóxicos ocorre com maior frequência no preparo da calda e aplicação na lavoura, com equipamentos que favorecem o contato com os produtos, aliado ao uso inadequado de equipamentos de proteção. Diante do exposto, conclui-se que o conhecimento do perfil de indivíduos com câncer recentemente diagnosticados assistidos no serviço de oncologia de um hospital geral pode subsidiar uma possível mudança no cuidado à saúde do trabalhador rural, inclusive na implementação de políticas públicas de prevenção de danos e promoção da saúde, direcionadas a essa população. As fragilidades evidenciadas quanto às práticas no manuseio de agrotóxicos remetem à ações educacionais interinstitucionais com trabalhadores rurais, familiares e comunidade.

    Participantes:
    • Christiane de Fatima Colet (Orientador)
    • Eniva Miladi Fernandes Stumm (Orientador)
    • Sandra Emilia Drews Montagner (Orientando)
    Arquivos:
  • Avaliação de Risco Cardiovascular em Mulheres Diabéticas a Partir de Parâmetros Hematológicos, Bioquímicos, Inflamatórios e Oxidativos

    Avaliação de Risco Cardiovascular em Mulheres Diabéticas a Partir de Parâmetros Hematológicos, Bioquímicos, Inflamatórios e Oxidativos

    Resumo:

    Uma das grandes preocupações em saúde a nível mundial são as doenças cardiometabólicas e os fatores de risco a elas associados. O Diabetes Mellitus do Tipo 2 (DM2), doença de múltipla etiologia caracterizada por hiperglicemia crônica, está associada a fatores de risco, como obesidade abdominal, aumento da pressão arterial, baixos níveis de HDL-colesterol (HDL-C) e altos níveis de triglicérides e LDL- colesterol (LDL-C). Além disso, a manutenção do quadro hiperglicêmico, proporciona um desequilíbrio entre o sistema oxidante e anti-oxidante, levando ao estresse oxidativo e consequente inflamação crônica de baixo grau, característica dessa doença e que pode ter efeitos no início, progressão e nas complicações clínicas das doenças cardiovasculares. Diante do exposto, o objetivo deste estudo foi avaliar o risco cardiovascular em mulheres diabéticas a partir de parâmetros hematológicos, bioquímicos, inflamatórios e oxidativos. O estudo foi do tipo transversal exploratório e correlacional, envolvendo 64 mulheres divididas em dois grupos: diabéticas e não diabéticas, integrantes de grupos de atendimento nas Estratégias de Saúde da Família. Foram analisados parâmetros antropométricos, bioquímicos, inflamatórios e oxidativos. Além de níveis aumentados de glicemia e HbA1c, as mulheres diabéticas apresentaram maiores níveis nos parâmetros oxidativos, de leucócitos e maiores níveis de índices de risco cardiovascular como o índice aterogênico plasmático (IAP) e a relação triglicerídeos/glicose (TyG). Em conjunto, os resultados deste estudo demonstram que alterações quantitativas em variáveis do perfil oxidativo, bioquímico e hematológico indicam um aumento de risco cardiovascular nas mulheres diabéticas.

    Participantes:
    • Alex Hastenpflug (Orientando)
    • Thiago Gomes Heck (Orientador)
    Arquivos:
  • Avaliação do Efeito da Infusão de Baccharis Trimera (Less.) Dc. Sobre Parâmetros Bioquímicos, Toxicológicos e de Estresse Oxidativo em Mulheres no Climatério

    Avaliação do Efeito da Infusão de Baccharis Trimera (Less.) Dc. Sobre Parâmetros Bioquímicos, Toxicológicos e de Estresse Oxidativo em Mulheres no Climatério

    Resumo:

    No período do climatério ocorre a diminuição progressiva do estrogênio e a propensão à doenças crônicas e predisposição ao estresse oxidativo. Desse modo, a suplementação exógena de substâncias com potencial antioxidante, como as plantas medicinais podem auxiliar na prevenção de doenças relacionadas ao estresse oxidativo. Entre as plantas medicinais com potencial antioxidante, constatado em estudos in vitro e in vivo com modelos animais, está a Baccharis trimera, conhecida popularmente como carqueja. Ensaios clínicos realizados em humanos com o objetivo de avaliar o efeito antioxidante da infusão desta planta não foram evidenciados até o momento. Diante do exposto, a proposição desse estudo foi avaliar os efeitos da infusão de Baccharis trimera sobre os parâmetros de estresse oxidativo, toxicológicos e bioquímicos em mulheres no climatério. Trata-se de um ensaio clínico randomizado em dois grupos: 2,5 g/150 mL (G1, n=19) e 5 g/150 mL (G2, n=22), realizado com mulheres com idade entre 35 e 65 anos, usuárias da atenção primária de um município de pequeno porte na região sul do Brasil. As participantes receberam a B. trimera na forma de droga vegetal seca com a qual foi feita uma infusão em 150 mL de água quente para consumo diário durante 90 dias. Foi realizada avaliação da pressão arterial, perfil hematológico renal e hepático, dano lipídico e proteico nos tempos: zero, 15, 45 e 90 dias; também, avaliação antropométrica, bioquímica, glicêmica e oxidativa (SOD, CAT e GSH) nos tempos zero e 90 dias. Foi verificado que o uso crônico da infusão de B. trimera exerceu propriedades antioxidantes evidenciado pela sua ação na redução da lipoperoxidação (TBARS) e na sua capacidade de aumentar os níveis de colesterol HDL, em ambos os grupos. O uso crônico da infusão não ocasionou danos hepáticos, renais e hematológicos nas mulheres do estudo, evidenciado que é seguro o uso da B. trimera. A infusão demonstrou também ação diurética e digestiva, conforme relatado pelas participantes. Os resultados sugerem que a infusão de B. trimera tem efeito benéfico sobre o perfil lipídico e hepático sem efeitos tóxicos quando usada cronicamente.

    Participantes:
    • Daiana Meggiolaro Gewehr (Orientando)
    • Evelise Moraes Berlezi (Orientador)
    • Gabriela Elisa Hirsch (Orientador)
    Arquivos:
  • Efeito de Uma Prática Complementar Baseada em Filmes de Comédia Durante a Hemodiálise Nos Níveis de Estresse, Ansiedade, Depressão e Qualidade de Vida

    Efeito de Uma Prática Complementar Baseada em Filmes de Comédia Durante a Hemodiálise Nos Níveis de Estresse, Ansiedade, Depressão e Qualidade de Vida

    Resumo:

    Introdução: Apesar dos avanços obtidos no tratamento do paciente com Insuficiência Renal Crônica (IRC) com a hemodiálise, o aumento na sobrevida não foi acompanhado por melhorias na saúde psíquica e qualidade de vida dos
    pacientes. Neste sentido, as práticas complementares não farmacológicas utilizadas durante o procedimento tem se mostrado eficazes na redução dos níveis de estresse, ansiedade e depressão, na melhoria da saúde física e psíquica, na diminuição dos sintomas indesejáveis e na redução nos desfechos adversos, porém permanecem sendo pouco utilizadas. Objetivo: Avaliar o efeito da utilização de filmes de comédia como prática complementar de lazer durante a hemodiálise nos níveis de estresse, ansiedade, depressão, qualidade de vida, intercorrências intradialíticas e parâmetros laboratoriais em pacientes com IRC. Métodos: Ensaio clínico randomizado por cluster com dois braços. A randomização foi feita conforme o dia do procedimento e a amostra foi composta por 61 sujeitos, sendo que grupo controle (n=26) seguiu apenas a rotina do serviço e foi avaliado através dos mesmos protocolos do grupo intervenção (n=35). Os protocolos de avaliação foram aplicados pré e pós o período de intervenção em ambos os grupos. Os desfechos avaliados foram depressão por meio do Inventário de Depressão de Beck; ansiedade, através da Escala de Ansiedade de Hamilton; qualidade de vida através do questionário Kidney Disease Quality of Life - Short Form (KDQOL-SF); estresse, através do cortisol salivar; parâmetros laboratoriais e intercorrências intradialíticas. A atividade de lazer consistiu na apresentação de filmes de comédia para o grupo intervenção durante a sessão de hemodiálise duas vezes por semana, durante seis semanas. Resultados: A amostra foi composta por 43 homens (70,5%) e 18 mulheres (29,5%) com média de idade 61,7±13,9. A mediana do tempo de tratamento hemodialítico foi de 24 meses. Os escores de ansiedade e depressão foram significativamente menores após o período de intervenção no grupo experimental, p=0,016 e p=0,017, respectivamente. Os pacientes do grupo experimental também foram significativamente menos propensos a apresentar intercorrências como hipertensão (p=0,003) e cefaleia (p=0,020) durante a sessão de hemodiálise. Os menores escores de qualidade de vida foram identificados nas dimensões situação de trabalho e função sexual em ambos os grupos. O grupo experimental apresentou melhora significativa em cinco domínios do KDQOL após a intervenção, enquanto o grupo controle apresentou melhora apenas no domínio função cognitiva (p=0,007). Os domínios do grupo experimental com aumento no escore foram: sintomas e problemas (p=0,003), efeitos da doença (p=0,008), dor (p=0,027), estado geral de saúde (p=0,004) e função social (p= 0,036). Os exames bioquímicos não apresentaram alterações significativas durante o período. O cortisol salivar apresentou aumento no grupo controle e diminuição no grupo experimental,entretanto a alteração não foi significativa. Conclusões: A prática de lazer baseada em filmes de comédia durante sessão de hemodiálise diminuiu os escores de depressão e ansiedade e gerou melhorias na qualidade de vida de pacientes renais crônicos, demonstrando benefícios similares às outras práticas complementares já descritas na literatura, além de ser de fácil implementação nos serviços de saúde.

    Participantes:
    • Edinara Moraes Morais (Orientando)
    • Eliane Roseli Winkelmann (Orientador)
    • Paulo Ricardo Moreira (Orientador)
    Arquivos:
  • Efeitos da Ovariectomia Sobre Parâmetros Lipídicos, Inflamatórios, de Estresse Oxidativo e Proteínas de Choque Térmico, em Coração de Ratas Obesas Expostas ao Residual Oil Fly Ash (Rofa)

    Efeitos da Ovariectomia Sobre Parâmetros Lipídicos, Inflamatórios, de Estresse Oxidativo e Proteínas de Choque Térmico, em Coração de Ratas Obesas Expostas ao Residual Oil Fly Ash (Rofa)

    Resumo:

    Baixos niveis de 17 ƒ-estradiol (E2), devido ao climaterio ou devido a retirada cirurgica dos ovarios, esta relacionada a dislipidemia, estresse oxidativo, inflamacao e mudancas na resposta ao choque termico ou resposta ao estresse. Alem disso, a obesidade e a exposicao a poluicao atmosferica, atraves do Residual Oil Fly Ash (ROFA), tambem afetam parametros cardiacos e sistemicos. Durante a obesidade e no hipoestrogenismo, o tecido cardiaco sofre aumento do influxo de acidos graxos, associado a reducao da capacidade de ƒÀ oxidacao, o que pode causar acumulo de lipideos no tecido cardiaco. Sabe-se que sob condicoes de estresse, as celulas respondem aumentando a expressao de proteinas de choque termico de 70 kDa (HSP70), que apresentam acao antagonica em ambiente intracelular e extracelular. Quando em ambiente intracelular, elas apresentam ação chaperona, antioxidante e anti-inflamatoria, enquanto que, em ambiente extracelular, podem mediar vias inflamatorias. Desse modo, nos investigamos se a ovariectomia pode piorar parametros lipidicos, oxidativos e inflamatorios, e a resposta ao estresse no tecido cardiaco e plasma de ratas eutroficas e obesas, cronicamente expostas ao ROFA. Para tal, o experimento foi dividido em dois blocos. No primeiro bloco, foram utilizadas 24 ratas Wistar (8 semanas de idade), distribuidas em dois grupos, Controle (C) e Poluicao (P) (n= 12 p/grupo), que receberam racao padrao para animais de laboratorio (Nuvilab CR-1) (11,4 % de gordura). O grupo P recebeu instilacao intranasal de ROFA (250 ƒÊg / 50 ƒÊL), enquanto o grupo C recebeu 50 ƒÊL de solucao fisiologica, ambos uma vez ao dia, 5 vezes por semana, durante 12 semanas. Na 12a semana, os animais foram submetidos a ovariectomia (OVX) ou a falsa cirurgia (Sham), dando origem a quatro grupos experimentais (n = 6 p/grupo) C, OVX, P e P+OVX. A exposicao ao ROFA ocorreu por mais 12 semanas. No segundo bloco, foram utilizadas 30 ratas Wistar (8 semanas de idade), distribuidas em dois grupos experimentais, Controle (C) e Poluicao (P) (n = 15 p/grupo), que receberam dieta hiperlipidica (58,3% de gordura). O grupo P recebeu instilacao intranasal de ROFA (250 ƒÊg / 50 ƒÊL), enquanto o grupo C recebeu 50 ƒÊL de solucao fisiologica, ambos uma vez ao dia, 5 vezes por semana, durante 12 semanas. Na 12a semana, os animais foram submetidos a ovariectomia (OVX) ou a falsa cirurgia (Sham), dando origem a quatro grupos experimentais C (n = 6), OVX (n = 9), P (n = 6) e P+OVX (n = 9). A exposicao ao ROFA permaneceu por mais 12 semanas. Na 24a semana, os 54 animais foram eutanasiados, sangue e tecido cardiaco coletados. (...)

    Participantes:
    • Gabriela Elisa Hirsch (Orientador)
    • Lílian Corrêa Costa Beber (Orientando)
    • Mirna Stela Ludwig (Orientador)
    Arquivos:
  • Estudo Populacional de Avaliação da Sarcopenia e As Repercussões Sobre As Capacidades Físicas em Idosos Assistidos Pela Atenção Primária

    Estudo Populacional de Avaliação da Sarcopenia e As Repercussões Sobre As Capacidades Físicas em Idosos Assistidos Pela Atenção Primária

    Resumo:

    O estudo surgiu da pesquisa matricial “Atenção Integral à Saúde do Idoso”, vinculado ao Grupo de Pesquisa de Envelhecimento humano (GERON) da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ). Nesse sentido, objetivou-se estudar a relação entre a fragilidade e a sarcopenia em idosos assistidos pela atenção primária em um município na região sul do Brasil, assim como, avaliar as evidências científicas acerca do treinamento físico e suplementação nutricional, bem como, avaliar a prevalência e o grau de sarcopenia através dos critérios estabelecidos pelo Consenso Europeu de Sarcopenia; associar a sarcopenia com a presença e ausência dos critérios de fragilidade e por fim, associar a fragilidade e sarcopenia com a idade e sexo. Considerando-se a abrangência da pesquisa, o estudo elaborou dois manuscritos, o primeiro intitulado “Resultado do treinamento de
    força muscular com suplementação nutricional em idosos sarcopênicos: uma revisão sistemática”, que foi desenvolvida a partir das recomendações do PRISMA, com o objetivo de elucidar a relação do treinamento físico com a suplementação nutricional em idosos sarcopênicos, na perspectiva, de aprofundar o conhecimento para subsidiar a prática dos profissionais de saúde. A busca foi realizada nos meses de julho a setembro de 2018, a partir de artigos publicados no período de 2014 a 2018. Foram selecionados 20 artigos nas bases eletrônicas Pubmed, Scielo, Biblioteca Virtual em Saúde, CINAHL e Springer. Após leitura foram selecionados cinco artigos para análise
    final. Dos resultados destaca-se que foi aliada ao treinamento de força muscular a suplementação com óleo de peixe, Whey protein, vitamina D e dieta rica em carne vermelha e que todos os estudos mostraram incremento de força e resistência muscular e mudança do perfil metabólico. O segundo manuscrito apresenta os resultados do trabalho realizado em campo, e intitula-se “Estudo da relação entre a fragilidade e a sarcopenia em idosos assistidos pela atenção primária”. Tratou-se de um estudo transversal, analítico, probabilístico, vinculado à pesquisa institucional, mencionada anteriormente. Os resultados deste estudo apontaram um número significativo de idosos apresentando a presença de critérios de fragilidade estando neste momento, em condição de fragilidade ou pré-frágil. Da mesma forma, verificouse que entre os idosos pré-frágeis e frágeis tem-se uma população maior comparando
    com a quantidade dos idosos não frágeis. Já na sarcopenia pode-se observar que quase a metade dos idosos avaliados possuem pelo menos a presença de um dos
    critérios de sarcopenia estabelecido pelo Consenso Europeu, determinando assim alta
    prevalência tanto da fragilidade quanto da sarcopenia.

    Participantes:
    • Evelise Moraes Berlezi (Orientador)
    • Susana da Silva de Freitas (Orientando)
    Arquivos:
  • Manejo Cirúrgico em Câncer Cervical Recorrente Ou Persistente Após Radioterapia e Quimioterapia

    Manejo Cirúrgico em Câncer Cervical Recorrente Ou Persistente Após Radioterapia e Quimioterapia

    Resumo:

    Introdução: O manejo primário de pacientes com tumores cervicais localmente avançados é a quimioterapia associada radioterapia. A taxa de recorrência, após este tratamento, varia de 15-30% e uma minoria destes casos é elegível à cirurgia. Objetivos: Analisar os resultados de morbidade e sobrevida após cirurgia curativa ou paliativa em pacientes com câncer de colo uterino recidivado submetidos à radioterapia e quimioterapia como tratamento primário. Outro objetivo foi avaliar os fatores associados aos procedimentos curativos e não curativos. Métodos: Coorte retrospectiva com 10 pacientes submetidos à cirurgias no período de janeiro de 2011 a dezembro de 2017 em um centro oncológico de alta complexidade. O desfecho da morbidade foi reportado de acordo com a classificação de Clavien-Dindo, e a análise de sobrevida foi realizada pelo método de Kaplan-Meir. Para avaliar os fatores associados aos procedimentos, foi utilizado o teste U de Mann-Whitney. Resultados: Foram realizadas duas histerectomias radicais, três exenterações pélvicas com intenção curativa e cinco exenterações pélvicas paliativas. No grupo curativo, houve complicações maiores em 40% dos casos, e o tempo de sobrevida mediana foi de 16 meses. No grupo paliativo, a taxa de complicação foi 60%, e o tempo de sobrevida mediana foi de 5 meses. Estadiamento avançado (p = 0,02), presença de sintomas (p = 0,04), tamanho do tumor maior que cinco centímetros (p = 0,04) e mais de três órgãos envolvidos (p = 0,003) foram fatores significativamente associados com cirurgia não curativa. Conclusões: As taxas de morbidade deste estudo foram altas comparáveis à literatura. O tempo de sobrevida mediana foi menor no grupo paliativo do que no grupo curativo, mas essa diferença não foi estatisticamente significante. Estadio avançado, sintomas, tamanho tumoral e número de órgãos envolvidos são fatores que devem ser levados em consideração na indicação de resgate cirúrgico.

    Participantes:
    • Janice de Fatima Pavam Zanella (Orientador)
    • Lucas Adalberto Geraldi Zanini (Orientando)
    Arquivos:
  • Perfil Redox em Pacientes Hemodialisados: Tratamento In Vitro Com o Extrato da Cascas de Batata-Doce

    Perfil Redox em Pacientes Hemodialisados: Tratamento In Vitro Com o Extrato da Cascas de Batata-Doce

    Resumo:

    A Insuficiência Renal Crônica (ICR) é definida pela redução na função renal, o que resulta na diminuição da diurese, perda da homeostase interna e frequentemente dislipidemias. O tratamento para a IRC mais utilizado é a hemodiálise (HD), porém esses pacientes que realizam este tratamento podem sofrer com efeitos adversos decorrentes do próprio processo de diálise, como o desequilíbrio do sistema antioxidante, ficando vulnerável a ocorrência do estresse oxidativo (EO). A batata-doce (Ipomoea batatas) pertencente da família Convolvuláceas, é considerada um alimento nutricionalmente valioso e rico em fibras, carboidratos, aminoácidos e vitaminas. Com base nisso, nosso estudo teve como objetivo avaliar o perfil redox de pacientes com Insuficiência Renal Crônica em tratamento hemodialítico e avaliar a partir de testes in vitro com os eritrócitos destes pacientes, o potencial antioxidante do extrato das cascas de Ipomoea batatas nas concentrações de 0,5; 1,0; 2,0 e 10,0 mg/mL. As coletas sanguíneas foram realizadas em dois momentos, com um intervalo de três meses entre as coletas, em 13 pacientes atendidos no Centro de Nefrologia do Hospital São Vicente de Paulo, que realizavam hemodiálise desde 2015. Foram analisados os biomarcadores bioquímicos nos prontuários destes indivíduos, no plasma foi avaliado o perfil redox e com os eritrócitos foi realizado o tratamento in vitro. Os pacientes estavam dislipidêmicos, anêmicos, apresentavam hiperparatireoidismo e estresse oxidativo (aumento dos danos oxidativos e diminuição da atividade antioxidante), principalmente no final do trimestre de monitoramento, evidenciando alguns dos efeitos adversos da hemodiálise. Ademais, após a realização dos experimentos in vitro se verificou que nas concentrações testadas o extrato das cascas de batata-doce, são tóxicas, por induzir dano oxidativo e dificultar a ação antioxidante dos eritrócitos, não sendo indicado como adjuvante do procedimento hemodialítico.

    Participantes:
    • Paulo Ricardo Moreira (Orientador)
    • Roberta Cattaneo (Orientador)
    • Sabrina Eickhoff (Orientando)
    Arquivos:
  • Promoção da Cultura de Segurança do Paciente na Perspectiva da Equipe Multiprofissional: Estudo Com Métodos Mistos

    Promoção da Cultura de Segurança do Paciente na Perspectiva da Equipe Multiprofissional: Estudo Com Métodos Mistos

    Resumo:

    Introdução: A promoção da cultura de segurança, estratégia global para melhorar a segurança do paciente e a qualidade do cuidado, constitui-se em um desafio para as organizações de saúde. Nesse sentido, avaliar a cultura de segurança do paciente permite fazer um diagnóstico da cultura corrente com vistas a iniciar o planejamento de ações para garantir uma assistência livre de danos. Objetivo geral: Analisar a cultura de segurança do paciente e identificar estratégias de fortalecimento da mesma na perspectiva de uma equipe multiprofissional atuante em um hospital geral da Região Sul do Brasil. Objetivos específicos: Identificar o perfil sociodemográfico e laboral dos profissionais envolvidos no estudo; mensurar o clima de segurança da equipe multiprofissional por meio do Safety Attitudes Questionnaire (SAQ); identificar fatores que influenciam na cultura de segurança do paciente no referido hospital; Criar/fomentar, de forma conjunta com os participantes do estudo, estratégias para melhorar processos de mudanças ou de reformulação na cultura de segurança do paciente. Método: Trata-se de uma pesquisa de métodos mistos, com abordagem sequencial explanatória quantiqualitativa, desenvolvida com a equipe multiprofissional de um hospital filantrópico de médio porte na Região sul do Brasil. Os dados quantitativos foram coletados pela aplicação do Safety Attitudes Questionnaire, no período de novembro de 2017 a fevereiro de 2018, totalizando 199 participantes; os dados qualitativos foram coletados por meio da técnica de grupo focal, com participantes oriundos da primeira fase, empregando-se os princípios do Diálogo Deliberativo como uma estratégia de Translação do Conhecimento. Os dados quantitativos foram analisados com o auxílio do programa Statistical Package for Social Science versão 20.0 (SPSS Inc., Chicago, IL, USA, 2010) para Windows, empregando-se a análise descritiva e bivariada, considerando o nível de significância p<0,05; na fase qualitativa, adotou-se a análise de conteúdo do tipo temática. Posteriormente, os dados foram integrados e apresentados em joint displays. O estudo foi aprovado pelo comitê de ética e pesquisa por meio da CAAE: 75925417.7.0000.5350 e parecer nº 2.355.933. Resultados: O escore geral do Safety Attitudes Questionnaire foi positivo (75,1+-10,4). Os domínios considerados positivos foram: Satisfação no trabalho (88,7±13,5), Clima de trabalho em equipe (78,8±14,2), Percepção de gerência de unidade (77,1±17,8) e Percepção de gerência do hospital (75,4±18). Os escores negativos foram Clima de segurança (72,7±15,1), Condições de trabalho (71,7± 27,6) e Percepção do estresse (59,1±27,1). Identificou-se que os profissionais não graduados avaliam melhor os domínios satisfação no trabalho, percepção da gerência e condições de trabalho, enquanto que os graduados percebem melhor o estresse. Comparados os domínios com as categorias de cargos, os médicos apresentaram melhor percepção do estresse, quando comparados com a equipe de enfermagem e outros profissionais de saúde. Profissionais do diurno percebem melhor o estresse, enquanto que os do noturno avaliam melhor as condições de trabalho. As discussões do GF evidenciaram aspectos que repercutem negativamente na cultura de segurança do paciente. Dentre esses aspectos, destacaram-se a comunicação ineficaz, as ações de punição na ocorrência de erros, a falta de comprometimento e de adesão aos protocolos e o não reconhecimento do estresse e dos erros. As ações prioritárias foram elencadas pelos participantes no segundo grupo focal, a citar: divulgar o plano de segurança do paciente da instituição entre todas as categorias profissionais; implantar o protocolo de cirurgia segura; e, envolver as lideranças e os profissionais das equipes na monitorização e discussão dos resultados dos indicadores de segurança existentes na instituição. Conclusão: A cultura de segurança na instituição é positiva na perspectiva da equipe multiprofissional, no entanto, o diagnóstico das atitudes e percepções identificou domínios que necessitam ser aprimoradas para garantir a segurança do paciente.

    Participantes:
    • Adriane Cristina Bernat Kolankiewicz (Orientador)
    • Daiane Fernanda Brigo Alves (Orientando)
    Arquivos:
  • Saberes e Práticas de Cuidado ao Estomizado na Rede de Atenção à Saúde

    Saberes e Práticas de Cuidado ao Estomizado na Rede de Atenção à Saúde

    Resumo:

    Introdução: as mudanças sociodemográficas, econômicas e epidemiológicas promoveram o aumento da expectativa de vida populacional, associado ao número elevado de doenças crônicas não transmissíveis, que contribui para o aumento dos estomizados no Brasil por câncer colorretal. Portanto, é importante a atenção das equipes de saúde e avaliar a qualidade de vida dos estomizados, pois os mesmos têm sua vida modificada com alterações físicas, emocionais e sociais. Neste sentido, destaca-se a preocupação de como este sujeito é atendido na rede de atenção a saúde. Objetivos gerais: avaliar a Qualidade de Vida, a Autoeficácia Geral Percebida e o nível de ansiedade e depressão de pacientes estomizados; conhecer as ações de cuidado efetivadas aos estomizados, nos diversos pontos de atenção à saúde que compõe a rede de atenção a saúde; descrever a percepção de enfermeiros acerca da atenção em saúde ao paciente estomizado e implementar uma ação educativa, pautada na pesquisa convergente assistencial com enfermeiros que integram a rede de atenção a saúde. Método: estudo desenvolvido em duas etapas. A primeira etapa utilizou-se metodologia quanti-qualitativa. Foram entrevistados pacientes estomizados por câncer colorretal vinculados a secretaria municipal de saúde, nos seus domicílios, questionários com questões abertas e instrumentos para avaliação da qualidade de vida, autoeficácia geral percebida e nível de ansiedade e depressão. As entrevistas foram realizadas em local reservado. A análise estatística dos instrumentos foi realizada no Statistical Package for the Social Sciences, versão 2.1 for windows, estatística descritiva por tendência central (média ou mediana) e de dispersão (desvio padrão e intervalo de confiança de 95%). A confiabilidade dos instrumentos foi analisada pelo Alfa de Cronbach. Entrevistado também enfermeiros que assistem os pacientes estomizados na rede de atenção a saúde, portanto enfermeiros atuantes na atenção primária em saúde e de um hospital geral porte IV, com questões abertas. As entrevistas foram gravadas, transcritas e analisadas. Na segunda etapa foi realizado uma oficina educativa com os enfermeiros da rede de atenção a saúde a partir dos resultados do estudo na modalidade de pesquisa convergente assistencial. Resultados: os estomizados apresentaram bons escores de qualidade de vida nos domínios relações sociais, psicológico, meio ambiente e físico, assim respectivamente, autoeficácia geral percebida e nível de ansiedade e depressão satisfatórios em análise estatística. Quanto as ações dispensadas ao estomizado, recebe orientações pré e pós operatório parcialmente, não é referenciado e contra referenciado na rede de atenção a saúde, tem dificuldades de acessar a atenção primária em saúde e há a centralização do cuidado em apenas uma unidade de saúde com enfermeiro especialista em estomaterapia. Na atividade educativa pautada na pesquisa convergente assistencial identificou-se dificuldades em descrever o itinerário terapêutico, inexistência de referência e contra referência do estomizado por parte dos enfermeiros da rede de atenção a saúde. Destacou-se fragilidade no conhecimento teórico e prático referente ao cuidado ao estomizado, com necessidade de treinamentos periódicos do tema. Como produtos elencados pelos participantes após a atividade educativa forma definidos: estabelecer protocolo de referência e contrareferencia, transferir o paciente para unidade de referência por telefone agendando a próxima consulta, criado grupo grupo no watss no intuito de passar o paciente para a unidade por meio de aplicativo telefônico e capacitação aos enfermeiros da rede de atenção a saúde. Considerações finais: esta pesquisa possibilitou identificar que pacientes estomizados tem qualidade de vida, autoeficácia geral e baixo nível de ansiedade e depressão. A partir da ação educativa por meio da pesquisa convergente assistencial, também foi possível demonstrar que os enfermeiros identificaram as suas fragilidades no cuidado em geral ao estomizado, dificuldade de organização do fluxo deste paciente na rede e a inexistência de referência e contra referência. Que é necessário mais conhecimento, capacitação por meio de educação continuada das instituições de saúde referente a este tema, por identificarem não ser uma prática diária de todos enfermeiros em geral.

    Participantes:
    • Adriane Cristina Bernat Kolankiewicz (Orientador)
    • Mariana Fröhlich Alievi (Orientando)
    Arquivos:
  • Síndromemetabólica e Obesidade em Pacientes Com Diversos Tipos de Neoplasias Avaliados em Um Centro de Alta Complexidade em Oncologia

    Síndromemetabólica e Obesidade em Pacientes Com Diversos Tipos de Neoplasias Avaliados em Um Centro de Alta Complexidade em Oncologia

    Resumo:

    Introducao: A prevalencia de sobrepeso e obesidade vem crescendo nas ultimas decadas, devido aos maus habitos alimentares e ao sedentarismo. No Brasil, a prevalencia de obesidade e de 20% e a prevalencia de sindrome metabolica (SM) chega a 30%, com aumento gradual de acordo com a faixa etaria. Houve aumento na prevalencia de diabetes mellito tipo 2, dislipidemia e hipertensao arterial. A obesidade e a SM apresentam risco para desenvolvimento de canceres relacionados a essas patologias. Objetivo: Determinar a prevalencia de SM, sobrepeso e obesidade em pacientes oncologicos e discutir os fatores de risco associados. Metodo: estudo transversal e prospectivo realizado em um centro de alta complexidade em oncologia, com selecao de pacientes com diagnostico confirmado de cancer, verificacao da pressao arterial e a coleta de dados antropometricos e laboratoriais. As analises estatisticas utilizadas foram o teste ANOVA de uma via, teste post-hoc de Tukey, teste T de Student e o teste T de uma amostra, atraves do programa SPSS (p.0,05). Resultados: a amostra para caracterizacao da SM foi de 31 pacientes e a prevalencia de SM foi de 54,84% na populacao oncologica, a media de idade foi de 55 anos, houve maior predominio de mulheres (64,71%), sendo que 59,21% dos canceres foram exclusivamente desse sexo. A hipertensao (94,12%) foi o componente mais frequente entre os criterios diagnosticos da SM, assim como a presenca de quatro criterios diagnosticos (52,94%). A presenca de SM agravou todos os componentes analisados, estatisticamente, idade (p=0,041), circunferencia abdominal (p=0,016), triglicerideos (p=0,034), pressao sistolica (p=0,042) e diastolica (p=0,008). Entre os generos, a diferenca foi maior na pressao sistolica (p=0,002) e diastolica (p=0,036) nas mulheres, e no peso (p=0,008), altura (p=0,000) e HDL (p= 0,036) nos homens. Para caracterizacao do sobrepeso e obesidade a amostra constou de 86 pacientes, houve prevalencia de 68,60% dos pacientes oncologicos com sobrepeso e obesidade. A media de idade foi de 58,17 anos, do IMC de 28,04 kg/m2 e da circunferencia abdominal de 95,36 cm. Conclusao: as mulheres foram mais prevalentes neste estudo, pela maior abrangencia de canceres exclusivamente deste genero e pela maior procura por servicos medicos. A SM ocasiona deterioramento sistemico no metabolismo, e a obesidade e uma das responsaveis pela patogenese que determina maior risco cardiovascular e da ocorrencia de certos tipos de cancer. Medidas para manejo dos componentes que compoem a SM devem ser executadas, a fim de evitar sua progressao que se torna prejudicial tanto para o individuo quanto para o sistema de saude que necessita de atendimento especializado e dispendioso.

    Participantes:
    • Janice de Fatima Pavam Zanella (Orientador)
    • Marcelo Zachow da Silveira (Orientando)
    Arquivos:
  • Tratamento Com Proteína de Choque Térmico de 72 Kda Exógena Atenua Gravidade da Sepse

    Tratamento Com Proteína de Choque Térmico de 72 Kda Exógena Atenua Gravidade da Sepse

    Resumo:

    A compreensão da relação entre a infecção sistêmica e a resposta imunológica é de fundamental importância na investigação dos mecanismos fisiopatológicos da sepse. Considerando o papel imunomodulador da proteína de choque térmico de 72kDa (HSP72), investigamos se o tratamento com esta proteína diminui a severidade do quadro de sepse. Foram utilizados 24 camundongos da linhagem C57BL/6 (90 a 150 dias de idade), divididos nos grupos: Controle (n = 7), Sepse (n = 8, induzida pela administração de solução fecal - 1mg/g, i.p.) e Sepse+eHSP72 (n= 9, grupo submetido a sepse e tratado com administração i.v. de eHSP72 (1,33 ng/g), 12 horas após a indução da sepse. A sepse levou os animais a hipoglicemia, perda de peso e hipotermia, e elevação dos índices de severidade da doença, avaliada pelo escore murino de sepse (EMS). Tais alterações estavam correlacionadas, então propomos neste estudo o escore murino de sepse adaptado (EMSA), que mensura as variáveis quantitativas de glicemia, temperatura retal e perda de peso corporal relativa, juntamente com as características observacionais do EMS. Ainda, a sepse gerou plaquetopenia, leucopenia, e aumento de biomarcadores inflamatórios (aumento da razão linfócito/neutrófilo e plaqueta/linfócito). Embora a administração de eHSP72 não alterou essas variáveis, foi capaz de melhorar o quadro avaliado pelo EMS e EMSA. Além disso, o grupo Sepse+eHSP72 não apresentou aumento na lipoperoxidação e na atividade de enzima antioxidante superóxido dismutase (SOD) pulmonar, e atenuou a insuficiência respiratória em comparação com o grupo Sepse. Conclusão: O tratamento com eHSP72 melhorou parâmetros clínicos e subclínicos na sepse, diminuindo a severidade da doença. Em conjunto, os resultados deste estudo apresentam a administração de eHSP72 como alternativa terapêutica na sepse, e um protocolo adapatado para avaliação da severidade de sepse em modelos experimentais.

    Participantes:
    • Maicon Machado Sulzbacher (Orientando)
    • Mirna Stela Ludwig (Orientador)
    • Thiago Gomes Heck (Orientador)
    Arquivos: