Programa de Pós-Graduação em Sistemas Ambientais e Sustentabilidade

Mestrado

Teses e Dissertações


Ano:

Dissertações

  • As Contribuições do Brincar Heurístico no Desenvolvimento de Vivências de Educação Ambiental no Contexto da Educação Infantil e Seu Compartilhamento Através da Documentação Pedagógica

    As Contribuições do Brincar Heurístico no Desenvolvimento de Vivências de Educação Ambiental no Contexto da Educação Infantil e Seu Compartilhamento Através da Documentação Pedagógica

    Resumo:

    O brincar heurístico desenvolvido na Educação Infantil e o compartilhamento das aprendizagens construídas pelas crianças através da documentação pedagógica mobilizam
    questões relacionadas à Educação Ambiental, à Sustentabilidade e a própria Educação Básica. Neste sentido, surge a seguinte questão de pesquisa: quais contribuições a educação ambiental pode promover na constituição dos sujeitos comprometidos com o cuidado do ambiente, através de práticas pedagógicas do brincar heurístico e os campo de experiência da educação infantil? Frente a isso, a presente pesquisa tem o objetivo geral de compreender como a educação ambiental desenvolvida sob a forma de prática pedagógica da educação infantil incentivará na tomada de consciência e possibilidades de intervenção de modo a formar sujeitos conscientes sobre suas responsabilidades com o ambiente e à sustentabilidade. As ações foram desenvolvidas de acordo com os eixos e competências previstas pela Base Nacional Comum Curricular e os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável propostos pela Organização das Nações Unidas. Desta forma, foram promovidas vivências de preservação do meio ambiente e a melhoria da qualidade de vida, da interação criança e natureza, em benefício do planeta através de brincadeiras lúdicas de modo a contribuir para o desenvolvimento emocional e cognitivo a partir da autonomia e da criatividade. A pesquisa insere-se na abordagem qualitativa de natureza observacional, descritiva e de revisão sistemática de literatura. Foram desenvolvidas vivências como a observação do crescimento das raízes da batata-doce, do brincar livre com elementos da natureza e materiais desestruturados, bem como o brincar heurístico. Também, foram investigadas as percepções de pais, professores e funcionários da escola através de questionários, quanto aos benefícios promovidos pelas ações da Educação Ambiental com as crianças pequenas da turma do Maternal II de uma Escola Municipal de Ijuí. Os resultados foram analisados e discutidos com os autores da revisão sistemática da literatura tais como, Nápoles et al. (2018), Campos e Carvalho (2015), Santos (2019), Crepaldi (2019), Zanon (2019), Arnholdt (2017), Couto (2017), Tavares (2016), Weirich (2015), Rodrigues (2012), Pereira (2011), Vasconcelos (2010), Jardim (2010) e Freitas (2018) quanto com as obras de Dahlberg (2016), Fochi (2018), Goldschmied (2006) e autores específicos que abordam sobre a Educação Ambiental como, Capra (2017), Costa & Loureiro (2017) e Sauvé (2016). Identificou-se que as percepções dos pais, educadores e funcionários da escola sobre os benefícios promovidos pelas ações realizadas foram que o contato das crianças com a natureza auxilia no desenvolvimento cognitivo e emocional. Desperta a curiosidade e o protagonismo em suas descobertas sobre o mundo que as cerca. Ainda, percebe-se a compreensão dos entrevistados sobre o desenvolvimento da criticidade e a busca por um meio ambiente equilibrado. Em relação às crianças, percebeu-se que são protagonistas das suas aprendizagens através da sua autonomia de questionar, investigar e descobrir sobre o mundo que as cerca, sendo essencial a Educação Ambiental de forma lúdica no cotidiano da Educação Infantil, tanto quanto a escrita reflexiva através das narrativas do cotidiano simples potencializador e do papel do educador no ambiente escolar, percepções importantíssimas para a Educação Básica quanto na mobilização de um educar que objetiva métodos que contribuam para o desenvolvimento emocional e cognitivo quanto inovador a educação brasileira.

    Participantes:
    • ROBERTO CARBONERA - (Orientador)
    • VIDICA BIANCHI - (Co-orientador)
    • DIOVANA MACHADO DA SILVA - (Orientando)
    Arquivos:
  • Efeitos do Uso de Produto Homeopático em Bovinos de Leite no Período Pré-Parto

    Efeitos do Uso de Produto Homeopático em Bovinos de Leite no Período Pré-Parto

    Resumo:

    A produção leiteira é considerada, mundialmente um dos maiores pilares do
    agronegócio, sendo um dos alimentos indispensáveis na dieta humana, como
    também na produção de diversos derivados. Os desafios da bovinocultura são
    diversos, sendo que é necessária uma atenção maior em certos períodos da
    lactação, como exemplo, o período de transição. Diante disso, faz-se necessário
    reconhecer as demandas animais relacionados à problemas metabólicos e
    doenças. O trabalho teve por objetivo avaliar o uso de um produto homeopático,
    buscando verificar sua funcionalidade hepática em bovinos leiteiros no período
    pré-parto. O experimento é do tipo quanti-qualitativa, sendo desenvolvido no
    Instituto Regional de Desenvolvimento Rural (IRDeR) da Universidade Regional
    do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ), com a utilização de 20
    animais das raças Holandesa e Jersey. No decorrer da pesquisa foram
    realizados dois experimentos, no primeiro avaliou-se a dose de 80g/dia e no
    segundo avaliou-se a dose de 20g/dia. Em ambos os experimentos os animais
    foram divididos em dois grupos (controle e tratado). O grupo tratado recebeu o
    produto Hpharm Antitóxico - Homeopatia Animal®, e o grupo controle recebeu
    apenas o veículo sacarose. Para analisar o efeito do produto, foram realizadas
    coletas de sangue e urina, e realizadas análises de escore de fezes, condição
    corporal e de locomoção. Todos os resultados obtidos foram submetidos à
    análise estatística descritiva e análise de variância (ANOVA), fatorial (tempo x
    tratamento) seguido do Teste de Tukey a 5%. Na análise da série vermelha não
    ocorreu diferença estatística significativa ao longo do tempo entre os grupos de
    tratamentos em ambas as doses, 80 e 20 g/dia. Na série branca na dose de 80
    g/dia, ocorreu diferença significativa entre os grupos de tratamento, porém na
    dose de 20 g/dia não se obteve diferença significativa, justificando o efeito da
    utilização de uma dose como modo preventivo. Para as variáveis enzimáticas e
    as variáveis da urina, nas doses de 80 e 20 g/dia não houve diferença estatística
    significativa entre os grupos tratado e controle e ao longo do tempo. Conclui-se
    que utilizar protetores hepáticos em doses mais baixas preventivamente é
    importante em rebanhos sadios, e dose mais altas quando o rebanho já estiver
    pré-disposto à afecções hepáticas.

    Participantes:
    • FELIPE LIBARDONI - (Co-orientador)
    • TADINE RAQUEL SECCO - (Orientando)
    • JULIANA MARIA FACHINETTO - (Orientador)
    Arquivos: